Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

You And I

16
Dez18

You And I - Capítulo 11


JustAnOrdinaryGirl

Resultado de imagem para luke bilyk gif

- Eu não acredito que ela foi capaz de uma coisas dessas! - Laura disse, sentando-se na cama, furiosa com o que acabava de descobrir - E como é que ela teve a lata de agir como se nada tivesse acontecido? - A rapariga não sabia como lidar com aquilo - O meu irmão tem de saber a verdade, tens de lhe contar Aly! - Acabou por dizer. E ao proferir aquelas palavras, ao imaginar-se a contar uma coisa daquelas ao irmão, a tristeza apoderou-se dela e deixou escapar algumas lágrimas. Alycia sentou-se a seu lado e abraçou-a - O meu irmão não merecia isto, Aly! - desabafou

- É claro que não merece, Laura! - Alycia concordou com a amiga - Quando ouvi esta conversa nos balneários nem queria acreditar - confessou - E acredita que me senti muito mal pelo teu irmão. Só me apetecia esganar aquela gaja, fazê-la pagar por tudo! - acrescentou, também ela furiosa com o que tinha acabado de saber. - Mas percebi que se a enfrentasse ela iria fazer alguma coisa para se fazer de vítima. Por isso achei que o melhor era ela não saber que eu sabia o que se tinha passado - explicou - Não sabia como contar ao teu irmão e foi por isso que vim falar primeiro contigo. 

- Obrigada por teres vindo... - Laura agradeceu, limpando as lágrimas - Vamos ter de contar ao Leo. E quanto mais depressa melhor. Se ele descobre por outras pessoas vai ser muito pior - constatou

- Sim, e ele pediu-me para tentar descobrir alguma coisa. Se não lhe contar a verdade será como estar do lado da Clarissa - Alycia disse - Mas como é que lhe vamos contar isto, Laura? E se ele não acredita? - Alycia perguntou, preocupada com a tarefa que tinham em mãos

- Ele pediu-te para descobrires se tinha acontecido alguma coisa naquela festa. Ele vai ter de confiar em ti, Aly! - Laura disse - Ele sabe que alguma coisa está errada, caso contrário não te teria pedido ajuda - acrescentou

- Então vamos falar com ele? - Alycia respirou fundo e levantou-se

- Sim. E se vamos ter de o fazer, então que seja agora. Quanto mais tempo demorarmos mais difícil vai ser - Laura disse, também ela pondo-se de pé. Laura pegou na mão de Alycia e desceram as escadas, entrando depois na sala. Leo estava sentado numa poltrona, ao lado do sofá onde estavam os pais. O pai de Laura virou-se de imediato na direção das duas raparigas. Olhou para o rosto de Laura e percebeu que a filha tinha estado a chorar. Depois percebeu também que Alycia não estava muito melhor. 

- Afinal o que é que se passa com vocês as duas? - Foi Leo quem perguntou, ao olhar também ele para as duas e perceber que algo estava errado - É verdade, depois temos de falar, Aly - disse, lembrando-se do que lhe tinha pedido mais cedo

- É mesmo para isso que aqui estou - Alycia admitiu, fazendo Leo erguer uma sobrancelha

- Alguém me explica o que é que se passa?! - O Sr. Collins levantou-se e encarou a filha e a amiga - O que é que esta rapariga te veio dizer para te deixar nesse estado, Laura? - questionou, referindo-se ao facto de a filha ter estado a chorar - Estou à espera de uma explicação! - insisitiu

- Pai, a Alycia não fez nada! - Laura defendeu de imediato a amiga, não fosse o pai começar com as suas coisas - E nós agora precisamos mesmo de falar com o mano - informou - É urgente!

- O que é que se passa, meninos? - Foi a mãe quem perguntou - Vocês estãos as duas com cara de choro e agora querem falar com o Leonard, alguma coisa aconteceu. O que foi? - A cara da Sra. Collins demonstrava a preocupação que sentia pelos filhos e até mesmo por Alycia. Mas nenhum deles respondeu - Meninos?!

- Tem a ver com a Clarissa, certo? - Leo perguntou às duas raparigas, começando a desconfiar de que realmente tinha acontecido algo com a namorada na noite anterior. As duas assentiram.

- Aconteceu alguma coisa de grave? - A sra. Collins ficou ainda mais aflita

- Mãe, nós temos mesmo de falar com o Leo, em privado - Laura voltou a pedir - Ele depois conta-vos se achar que tem de o fazer! - Os pais acabaram por deixar os três jovens sair da divisão, percebendo que elas não iam dizer nada ali à frente deles. Leo saiu para o alpendre e as duas raparigas seguiram-no, em silêncio. 

- Então, descobriste alguma coisa sobre a festa de ontem? - Leo perguntou de imediato. Os três estavam agora sentados no alpendre - Alycia?! - chamou a rapariga que parecia perdida num mundo só dela

- Eu fingi que tinha saído do balneário, para elas falarem à vontade - Alycia começou - E pelo que percebi, a festa em si foi o costume. Acho que sabes como costumam ser... - Começou a enrolar mas Leo mandou-a prosseguir - Algumas das raparigas perguntaram à Clarissa como é que as coisas estavam entre vocês e ela contou que fizeram as pazes e que tudo estava bem - prosseguiu - E depois... elas começaram a falar num tipo qualquer, um rapaz que estava na festa, mas eu não ouvi o nome dele nem sei se ele é lá da escola - parou de falar, apenas para ganhar coragem. Sentiu Laura apertar-lhe a mão, como que a dar-lhe força. 

- O que é que aconteceu a esse rapaz? - Leo perguntou, apesar de ter medo da resposta. A reação das raparigas por quem passou na escola, os comentários e os cuchichos começaram a invandir-lhe a mente - Alycia, o que é que tem esse rapaz?! - tentou moderar o tom de voz

- Ele e a Clarissa enrolaram-se!  - Alycia disse de uma vez, quase como se estivesse a arrancar um penso de uma ferida. Leo ficou por momentos a olhar para ela, à espera que dissesse mais alguma coisa. Mas Alycia já tinha contado tudo, não havia mais nada. Levantou-se e levou as mãos à cabeça, talvez para evitar que elas o vissem chorar. De repente deu um pontapé num vaso de flores, espalhando as flores e a terra por todo o lado. As raparigas também se levantaram, tristes opr vê-lo sofrer daquela maneira. Laura tinha o rosto molhado de lágrimas quando se aproximou do irmão. Abraçou-o. E, apesar de ele inicialmente ter tentando afastar a irmã, depois deixou-se abraçar por ela, abraçando-a de volta e chorando tudo que tinha para chorar no ombro dela. Alycia limpou os olhos, também eles cheios de lágrimas por ver os dois assim. Percebeu que estava na hora de ir embora, não valia a pena dizer mais nada naquele momento, Leo precisava de assimilar aquilo e de se acalmar. Fez sinal a Laura de que ia embora e viu a amiga agradecer-lhe num sussurro. Leo continuou abraçado à irmã. Por trás de uma cortina, os pais assistiam àquele abraço, sentido-se angustiados por ver o filho naquele estado. 

********************

Como era de esperar, Leo passou a noite em branco. Clarissa não lhe saía da cabeça, assim como as palavras de Alycia. "Ele e a Clarissa enrolaram-se!", "Ele e a Clarissa enrolaram-se!". "Ele e a Clarissa enrolaram-se!". Era como se alguém continuasse ali ao seu lado a gritar-lhe aquela frase. Tudo o que queria era que alguém lhe ligasse e dissesse que aquilo não passava de uma bricadeira, mas ele sabia que isso não iria acontecer. Relembrou depois o momento em que fizera as pazes com a namorada, nessa manhã. E percebeu de imediato o por quê de ela ter cedido tão facilmente. Queria apenas evitar que ele descobrisse. 

Laura passou pelo quarto do irmão a meio da noite, mas sem ser vista. Custava-lhe ver o irmão naquele estado. Apeteceu-lhe entrar e ficar ao lado dele, mas sabia que o que ele precisava naquele momento era de espaço para organizar as ideias. O dia seguinte seria complicado, disso todos tinham a certeza. 

Quando se juntou aos pais e à irmã na cozinha, na manhã seguinte, as marcas da noite mal dormida eram evidentes em Leo. Entrou na divisão em silêncio e assim permaneceu até sair dali, esperando pela família no alpendre. Precisava de apanhar ar antes de ir para a escola.

- O que é que se passa com o teu irmão, Laura? - O pai perguntou quando o rapaz saiu da cozinha - Afinal o que é que aquela rapariga queria, ontem à noite? - perguntou, referindo-se a Alycia - Laura? - insistiu perante o silêncio da rapariga

- Não vou ser eu a falar desse assunto, pai - Laura respondeu finalmente - Isto é um assunto que diz respeito ao mano. Terá de ser ele a falar convosco - acrescentou, repetindo o que já lhes tinha dito na noite anterior 

- Quer dizer que aquela rapariga, essa tal de Alycia, pode saber a verdade e nós, que somos os pais, não podemos? - perguntou, mas prosseguiu antes de obter uma resposta - E já agora, essa Alycia é tua amiga? - a pergunta foi feita com um tom de voz reprovador

- Sim, é nossa amiga! - Laura respondeu - Mas não é o momento para pôr as nossas amizades em causa, pai. Muito menos a amizade da Aly! - Acrescentou. A conversa ficou por ali e depressa se juntaram a Leo, seguindo depois para a escola. A viagem foi silenciosa, um silêncio constrangedor, que ninguém sabia como quebrar. Assim que o Sr. Collins parou o carro, Leo saiu disparado, sem sequer se despedir ou esperar pela irmã. 

- Eu vou atrás dele! - Laura disse aos pais, também saindo do carro - Leo! Leo! - gritou até conseguir alcançá-lo e segurar-lhe no braço

- Não te preocupes, Laura, eu sei o que estou a fazer - tentou descansar a irmã - Tenho apenas de encontrar a Clarissa. - Dito isto deixou a irmã ali, seguindo para dentro da escola para tentar encontrar a namorada. A rapariga estava prestes a entrar dentro da escola quando sentiu uma mão no seu ombro

- Estás bem? - Era Alex que, ao vê-l ali parada, ficara preocupado

- Estou preocupada com o meu irmão - Confessou, começando a caminhar ao lado do rapaz - Ele descobriu que a Clarissa o traiu e... sei lá, tenho medo que ele faça alguma asneira. - contou. Alex viu como os olhos da rapariga se encheram de lágrimas e puxou-a para um abraço

- Vai ficar tudo bem, miúda! - sussurrou-lhe, continuando a abraçá-la

- Eh lá, as coisas já vão assim? - Nick surpreendeu-os, aparecendo ao lado deles. Mas, ao ver a cara dos dois, percebeu que aquele abraço não era o que poderia parecer - O que é que aconteceu? - perguntou. Laura separou-se de Alex e contou a Nick, pedindo depois aos dois rapazes que não comentassem aquilo com ninguém - Acho que é melhor irmos ver do Leo, apenas para estarmos por perto para o caso de acontecer alguma coisa - Nick sugeriu. Os dois rapazes e Laura foram então à procura do outro.

*************************

- Olá baby! - Clarissa apareceu, agarrando-se ao pescoço do rapaz - Já estava com saudades! - sorriu-lhe e tentou beijá-lo. Mas Leo recusou, o que fez Clarissa perceber que algo estava errado. Foi então que reparou na cara de Leo, na expressão dele, nas olheiras e nos olhos ainda inchados - O que é que se passa, Leo? - perguntou, afastando-se ligeiramente

- Porque é que não me contas tu o que se passou? - Leo perguntou-lhe. Custava-lhe olhar para a cara dela depois de saber a verdade

- Do que é que estás a falar? - Clarissa perguntou, fazendo-se surpreendida. Mas, dentro de si, começou a sentir o medo da possibilidade de Leo saber mais do que devia.

- Estou a falar do que se passou na festa, Clarissa! - Leo esclareceu-a - E do facto de como ontem agiste como se nada tivesse acontecido, quando na verdade aconteceu - continuou - Tu traíste-me, Clarissa! - Algumas pessoas começaram a olhar na direção deles, dado Leo estar a falar mais alto que o normal

- Onde é que ouviste isso, Leo? Eu adoro-te! - Clarissa fez de tudo para manter a compostura

- Nem sequer vale a pena negares, eu sei que é verdade! - Leo interrompeu-a - Eu ouvi os sussurros, os cuchichos das pessoas que passavam por mim no corredor, pessoas que estiveram na festa e que nos viram fazer as pazes. E já me contaram a verdade. Verdade essa que ouviram da tua boca! - O rapaz contou-lhe o que sabia 

- Tu sabes que eu te adoro, Leo! - Clarissa voltou a dizer o que sentia

- Eu também achava que sim. Achava que gostavas de mim tanto como eu gosto de ti! - Leo disse - Mas depois disto, tudo o que eu quero é esquecer aquilo que existia entre nós - acrescentou

- Leo, o que te disseram é mentira! - ela disse, desesperada - Tu tens de acreditar em mim, eu é que sou a tua namorada! - As pessoas começaram a juntar-se, a assistir ao que se passava. - Aliás, quem é que te disse isso? Alguém que esteve na festa? Eu tenho de saber quem foi! - exigiu

- Não adianta dizer quem foi, Clarissa! Mas eu sei que essa pessoa nunca me iria mentir, ao contrário de ti! 

- Eu não acredito que me estás a fazer passar por isto, Leo! - A cheerleader começou a chorar - Devias acreditar em mim, não numa mentira! - insistiu em negar o que tinha feito - Aliás, vamos falar para outro lado, está toda a gente a olhar para nós! - pediu

- Não me digas que tens medo que alguém confirme o que fizeste? - Leo provocou-a - Aposto que muitas destas pessoas que estão a assistir a este espetáculo sabem o que se passou! Ninguém quer vir aqui contar o que se passou? - perguntou aos colegas que os rodeavam. Nesse momento, Tim aproximou-se dos dois.

- Está toda a gente a olhar para vocês! - avisou-os, apesar de ser algo bem óbvio. E foi então que, na cabeça de Leo, um novo pormenor apareceu. Tim tinha estado na festa e era o seu melhor amigo. Então, porque é que não lhe tinha dito nada? Ou não teria dado conta de nada?

- Tu sabias disto, Tim? - Leo virou-se para encarar o melhor amigo, que ficou sem reação. A única coisa que fez foi olhar disfarçadamente para Clarissa. Mas Leo conhecia-os e bastou-lhe aquela hesitação para perceber que Tim sabia e que Clarissa lhe estava a pedir, apenas com o olhar, que não dissesse nada. - Tu sabias! - confirmou, fazendo o melhor amigo encará-lo de novo.

- Leo... - Tim começou

- Tu sabias e não me disseste nada! Que merda de amigo é que tu és? Deixaste que ela me traísse, à frente de toda a gente, e não me disseste nada! NADA!! - gritou, fazendo ainda mais gente olhar para eles

- Leo, eu... - Tim ia falar mas foi interrompido quando o punho de Leo acertou em cheio na sua cara. A confusão, que já estava instalada devido à discussão, foi aumentada depois de Leo ter batido em Tim. De repente, ouviam-se gritos, murmúrios, incentivos a que houvesse porrada. E os dois estavam de facto a começar a envolver-se numa luta. Mas Nick, que já tinha chegado com Laura e Alex, avançou e segurou Leo, puxando-o para trás, desviando-o de Nick. Um outro rapaz, que também assistia, decidiu intervir e segurar Tim. Os dois tentaram soltar-se e continuar a agressão, mas Nick e o outro rapaz impediram-nos. 

- Não desças ao nível deles, Leo! - Nick disse-lhe - Eles não merecem isso, tu és melhor que isto - acrescentou. Leo acalmou-se, dizendo a Nick que não ia fazer nada. O rapaz largou-o mas deixou-se estar por perto. 

- Leo... - Clarissa aproximou-se dele, com uma voz suave, quase a suplicar - Vamos conversar...

- Não há nada para conversar, Clarissa - Leo disse-lhe, olhando-a com algum desprezo - Acabou! - disse. Pegou na mochila, caída no chão, e saiu dali, dirigindo-se para a saída da escola. Laura chamou-o, mas ele nem sequer olhou. 

- Não te preocupes, ele vai ficar bem. Depois falamos com ele - Alex tentou descansá-la, abraçando-a novamente. Entretanto, Clarissa pegou nas suas coisas e estava prestes a ir atrás dele quando Laura a impediu. 

- Nem penses que vais atrás dele, Clarissa! - disse-lhe - Deixa o meu irmão em paz de uma vez por todas. Já chega o que fizeste! - acrescentou

- Eu faço o que quiser! - Clarissa disse, como se a razão estivesse do lado dela - O teu irmão ainda vai voltar para mim, volta sempre! - e quando ouviu estas palavras, quando ouviu Clarissa falar daquele modo altivo, Laura não hesitou e deu-lhe um estalo, deixando toda a gente estupefacta. 

..........................

Boa tarde! E aqui fica mais um capítulo, espero que tenham gostado. Este é um pouco maior, mas não consegui cortar nada. Parece que a Clarissa não gostava assim tanto do Leo. Acham que ele ainda a perdoa? E ao Tim? Deixem as vossas opiniões aqui nos comentários e obrigada a quem tem acompanhado. Fiquem bem e até ao próximo capítulo :)

4 comentários

Comentar post