Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

You And I

10
Jul16

"Taking Chances" - Capítulo 17


JustAnOrdinaryGirl

Aquele era o dia que Brittany ansiava há imenso tempo e não podia estar mais nervosa. Saber que dali a alguns momentos iria rever o seu pai deixava-a com um friozinho na barriga. Apesar de que, bem vistas as coisas, seria como vê-lo pela primeira vez. Não se lembrava muito dele apesar dos 3 anos que viveram juntos. A viagem de avião entre Nova Iorque e Los Angeles correu bem. Brittany foi sentada ao lado de Jackson, uma vez que Anna e Gustav tinham viajado juntos. Brittany até agradeceu pois assim não teve de falar com o irmão sobre o pai. Preferia não entrar em grandes conversas sobre o assunto antes de estar com o homem que lhe deu vida.

A viagem entre o aeroporto e a casa de Gustav demorou cerca de meia hora. Quando chegaram, Brittany olhou em volta. A casa era enorme, com um grande jardim e diversas árvores e flores. Tinha uma piscina, uma cadeira de baloiço, espreguiçadeiras e tudo o que se pode imaginar que tem uma mansão. Absorveu tudo o que via à sua volta e depois seguiu Gustav até à porta de entrada. Anna e Jackson iam cada um de um lado de Brittany. Gustav abriu a porta e todos eles entraram, em silêncio. Poucos segundos depois, uma senhora com cerca de 40 anos aproximou-se e abraçou Gustav, sorrindo.

- Tive tantas saudades tuas, querido! – A mulher disse e Brittany percebeu que aquela era a mãe de Gustav, a mulher com quem o pai de ambos estava – Olá, Jackson! – A senhora disse, cumprimentando o rapaz

- Também tive saudades tuas, mãe! – Gustav disse – Quero apresentar-te a Anna… a minha namorada – sorriu, apontando para a rapariga, que corou de imediato – E esta é a Brittany... A minha irmã – disse, apontando agora para Brittany – Anna, Britt, esta é a minha mãe, a Eliza.

- Bem-vindas, meninas. É um prazer receber-vos aqui em casa – A mulher sorriu a ambas e avançou para as cumprimentar

- O pai está em casa? – Gustav perguntou e Brittany olhou para ele, ficando ainda mais nervosa

- Teve de ir receber uns clientes, mas não deve demorar muito – Eliza disse, olhando para o filho e depois para Brittany – Brittany, eu gostava de falar um pouco contigo, se puder ser – Brittany olhou para a mulher à sua frente, nervosa, e depois assentiu

- Bem, vou procurar o mano para lhe apresentar a Anna – Gustav disse, sorrindo discretamente a Brittany – Jackson, vens? – Perguntou, fazendo com que o amigo descesse à terra e assentisse, olhando para Brittany antes de seguir os outros dois para o exterior da casa.

- Brittany, vamos sentar-nos um pouco, pode ser? – Eliza pediu e Brittany seguiu-a até uma enorme sala de estar, bastante bem decorada – Não quero que te sintas constrangida por irmos ter esta conversa – a mais velha disse, tentando que Brittany se sentisse mais confortável – Antes de ir para Nova Iorque, o Gustav falou comigo, não sei se ele te disse alguma coisa…

- Sim, ele contou-me a conversa que teve consigo – Brittany disse

- Ótimo – Eliza sorriu – O Gustav disse-me que vinhas porque precisas de esclarecer o que realmente aconteceu – Brittany assentiu – Se preferires falar com o teu pai, eu entendo, mas se quiseres eu posso contar- te o que sei, o que o George me contou quando regressou de Nova Iorque – Eliza examinou o rosto da rapariga, querendo perceber se devia ou não continuar

- E o que é que ele lhe contou? Que deixou a minha mãe com uma filha de três anos e que nunca mais quis saber de nós? – Brittany perguntou, ríspida – Desculpe, eu não lhe queria falar nestes modos. Tenho andado nervosa e parece que cada vez que abro a boca digo asneira. Desculpa, Dona Eliza – Brittany pediu, com sinceridade

- Percebo que estejas nervosa, eu também estaria. – Eliza disse, aceitando o pedido desculpas – Também sei que tens andado com dúvidas em relação ao teu passado e é normal que as tenhas, Brittany. A história que tu sabes é apenas um resumo e com muitas falhas! – Brittany ficou em choque, não conseguindo dizer uma palavra. Tinha a sensação que faltava alguma coisa, mas ter a confirmação custava mais do que imaginava.

***********

- Estás bem, meu? – Gustav perguntou, não obtendo resposta – Jackson!

- Hã? – Jackson perguntou, voltando à realidade – Perguntaste alguma coisa?

- Perguntei se estás bem? Desde que chegámos que ainda não abriste a boca. Estás sempre disposto a jogar futebol comigo e com o meu irmão e hoje não queres. O que é que se passa? – Voltou a perguntar, preocupado com o melhor amigo

- É a tua irmã – disse – Estou preocupado com ela – acrescentou

- Eu sei que estás, já tinha dado para perceber – Gustav disse – E também já reparei que para ti a Brittany é muito mais que minha irmã – acrescentou, fazendo Jackson olhar para ele – Não vou dizer nada contra isso, não te preocupes. Ouve, a minha irmã é uma miúda forte e vai conseguir resolver as coisas. Ela precisava disto

- Eu sei e ainda bem que decidiu esclarecer as coisas. Mas não deixo de me preocupar. É esta história dos pais, é o Henry. Tudo lhe acontece ao mesmo tempo – Jackson bufou – E se aquelas dúvidas que ela tem se confirmam? E se a mãe sempre lhe escondeu a verdade?

- Então aí estarei cá eu, a Anna e tu para apoiá-la – Gustav afirmou – E o que é que tem o Henry? – Perguntou confuso

- Eles acabaram – Jackson contou

A conversa ficou por ali, com Jackson a olhar para p horizonte e Gustav a juntar-se a Anna e ao irmão dele.

*********

- Como assim um resumo com falhas? Está a querer dizer que durante todos estes anos a minha mãe escondeu metade da verdade? – Brittany perguntou assim que conseguiu falar – A minha mãe sempre fez um esforço enorme para me criar, sempre fez tudo para me proteger, para eu não passar por tudo o que ela passou. Sempre fez tudo para que o meu pai não me magoasse como a magoou a ela – Algumas lágrimas apareceram – A minha mãe passou por tanto! Tinha esperança de que as dúvidas e estes sentimentos que me assombram não passassem de coisas da minha cabeça mas…

- Mas essas dúvidas e sentimentos têm uma razão para existir, Brittany – Eliza interrompeu-a – Brittany, é verdade que o teu pai deixou Nova Iorque e voltou para casa. Também é verdade que te deixou com a tua mãe mas ele nunca se esqueceu de ti. Nunca! – Eliza disse, fazendo com que Brittany abanasse a cabeça, negando

- Isso não é possível! – Brittany tentava acreditar nas suas palavras – Não sabe como a vida da minha mãe desde aquele dia. Nem como foi quando o meu pai a deixou. Como é que pode dizer que ele não se esqueceu de mim – Brittany perguntou

- Quando o teu pai voltou, ele contou-me tudo! Quando ele me contou que tinha tido uma filha eu fi-lo prometer que iria sempre tentar ajudar-te, mesmo que ele não quisesse voltar – Eliza começou a contar a história e Brittany decidiu que não a podia interromper mais – Todos os meses ele enviava dinheiro e algumas coisas para ti. Mas era sempre tudo devolvido – Brittany ficou confusa. Por que razão era tudo devolvido? – Passados uns meses, ele decidiu voltar lá para que a tua mãe aceitasse as coisas, para lhe dizer que apesar de não estar com ela, queria ajudar-te. Quando ele chegou a Nova Iorque, foi ter a vossa casa mas em vez de vos encontrar encontrou lá novos moradores. Tu e a tua mãe estavam noutra casa e ele nunca mais vos conseguiu encontrar apesar de todos os esforços – Eliza concluiu a história, pelo menos aquela parte, e Brittany estava a olhá-la, incrédula

- Mas nós sempre vivemos naquela casa, era a casa dos meus avós – Brittany disse, nada lhe fazia sentido

- Não, tu já viveste noutra casa – Eliza levantou e regressou com algumas fotografias na mão. Brittany olhou para a primeira

- É a minha mãe comigo e… este é o meu pai? – Eliza assentiu e Brittany voltou a olhar para a fotografia – Esta não é a casa onde moramos, é a casa dos nossos vizinhos, os Smith

- Essa é a casa onde tu moravas com os teus pais. Quando o teu pai voltou lá, encontrou esse casal. Disseram-lhe que vocês tinham mudado de cidade mas que não tinham dito para onde iam exatamente. – Eliza disse

- Mas nós sempre morámos ao lado deles. Eles sempre foram como uns avós para mim – Brittany disse – Isso quer dizer que eles mentiram ao meu pai, eles sempre souberam que morávamos mesmo ali ao lado. Mas porquê? – Aquilo não fazia sentido nenhum, cada vez estava mais confusa – Porque é que o meu pai voltou para Los Angeles, para voltar a estar consigo? Porque não gostava da minha mãe? – Perguntou. Talvez aquela resposta fosse a resposta para tudo

- O teu pai saiu de casa porque eu lhe pedi, porque ele me traiu com a tua mãe. Ele sempre esteve presente para o Gustav. Passados 4 anos ele regressou. Ele voltou para aqui porque era o único sítio que tinha depois de tudo – disse e Brittany mostrou-se confusa – Brittany, o teu pai descobriu que a tua mãe o traiu com o patrão dela

- O quê?! – Aquilo não fazia sentido nenhum para Brittany. Durante toda a sua vida tinha ouvido que o pai a tinha abandonado para voltar para a ex-mulher mas isto mudava tudo. Seria possível que a mãe fosse realmente quem estava a mentir? Mas como? Se já tinha dúvidas antes, agora tinha ainda mais. As lágrimas começaram a cair-lhe pela face e a rapariga nada fez para as impedir. Quando reparou que Eliza se tinha levantado e que se estava a aproximar, Brittany levantou e correu em direção à porta de saída. Fechou-a atrás de si e encostou-se à mesma, as lágrimas a aparecer cada vez mais.

Jackson, que estava sentado nas escadas de acesso à porta de entrada levantou-se e dirigiu-se a ela. Ficou a olhá-la, sem proferir qualquer palavra. Brittany avançou para ele e ele tomou-a nos braços, apertando-a contra o seu peito e deixando que ela chorasse tudo o que precisasse.

Quando limpou as lágrimas, Brittany olhou para trás de Jackson, onde se encontrava um homem de fato, a olhar para ambos. Quando se apercebeu, Jackson olhou também para o homem. Estava na hora de o conhecer. Apertou a mão de Jackson e esperou que o homem se aproximasse.

...............

Boa tarde! Espero que gostem deste capítulo cheio de revelações! Estavam à espera disto? A Brittany apenas falou com a Eliza, mas no próximo irá finalmente confrontar o pai, agora que já sabe de tudo. Mas posso dizer-vos que ainda há mais umas coisinhas por revelar. E espero que gostem do que aí vem :) Entretanto, deixem as vossas opiniões! E obrigada pelos comentários e leituras! Fiquem bem e até ao próximo capítulo!!

4 comentários

Comentar post