Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

You And I

You And I

You And I - Capítulo 101 (FINAL)

The End Gif - GIFcen

- Isto é sério, Tim? Ou a Alycia é só mais uma das tuas conquistas? - Foi Meredith quem perguntou assim que os quatro se sentaram para conversar

- É sério! - Tim respondeu sem sequer ter de pensar no que queria dizer - O meu histórico não é nada famoso, vocês sabem, mas com a Alycia é diferente. Acho que no fundo eu era assim por dois motivos: seguir o exemplo de um pai que era tudo menos bom exemplo e esquecer a frustração que tinha por não conseguir que a Clarissa olhasse para mim. E com a Clarissa era tudo menos amor, era só uma obsessão doentia. - Ele justificou-se - Se o que vos assusta é isso, então podem ter a certeza de que é sério. A Alycia mudou a minha vida e, se um dia as coisas deixarem de resultar, terei sempre esse respeito por ela. Será sempre uma das pessoas mais importantes da minha vida. - Acrescentou. Os três olharam para a rapariga e viram como as lágrimas escorriam pelo seu rosto. 

- Calculo que essas lágrimas signifiquem que para ti também é sério... - Anthony disse ao ver a emoção da filha. Ela acenou - Podiam ter falado connosco! - relembrou

- Podíamos mas tivemos medo, dúvidas... - Alyicia falou - Achavamos que isto não era nada de mais. Que fossem apenas as hormonas de duas pessoas carentes a falar mais alto. Depois começámos a sentir que era algo mais e tivemos medo que a vossa reação fosse... Sei lá, tivemos medo que nos vissem como irmãos e que tudo isto fosse ser uma desilusão, um problema que afetasse a vossa relação. - Explicou

- Claro que temos alguns medos... - Meredith confessou - Quanto a serem irmãos, isso não é uma questão. Vocês já se conheciam da escola e isto poderia ter acontecido de qualquer forma, mesmo sem eu e o Anthony estarmos juntos. Talvez seja uma situação um pouco estranha no início... Mas acho que não vos podemos impedir de ter a vossa vida, as vossas relações. E, como o Tim disse, a universidade está a chegar e vocês vão acabar por estar em casas diferentes. E se um dia tivermos um filho nosso... Bem, aí ele irá ouvir a vossa história e serão outros tempos... 

- Isso quer dizer que aceitam a nossa relação? Sem stress? - Tim perguntou, meio surpreso

- Desde que não pensem que aqui em casa podem... enfim, acho que percebem que há algumas regras e limites. Não deixas de ser minha filha e menor de idade, Alycia - Anthony avisou, apesar de ser claro que não estava zangado

- Queremos que, acima de tudo, haja respeito por nós e por vocês mesmos... - Meredith disse - Mas nunca poderíamos impedir que desse um aoportunidade ao vosso amor ou lá o que seja que estão a viver - concluiu. Os dois jovens felizes, abraçaram-se de imediato, evitando o beijo que queriam dar. Depois, felizes, abraçaram os pais com um grande "obrigada". 

- Ainda podemos ir para a Irlanda, certo? - Alycia lembrou-se de repente, ficando todos a olhar de uns para os outros. 

***** ***** ***** ***** *****

O final do ano letivo chegou num piscar de olhos. No sábado a seguir ao final das aulas, Theresa e Laura esperavam ansiosamente que os restantes se juntassem a elas no aeroporto. Leo e Nick foram os primeiros, ambos com cara de sono. 

- Os meus pais organizaram um jantar de despedida. Acham que eu não volto nos próximos anos! - Nick disse, em tom meio brincalhão e, ao mesmo tempo, em forma de pedido de desculpa pelo atraso. Alex chegou logo a seguir. Também ele tinha aproveitado para se despedir dos pais. Apesar de já não viver com eles, desta vez ia estar quase três meses sem os ver. Alycia e Tim foram os últimos a chegar, acompanhados de Meredith e Anthony, que traziam mil pedidos para a mãe de Laura. Podiam ter aceite o namoro mas, mesmo assim, ainda se queriam certificar de que todos os limites eram respeitados. Alycia revirou os olhos assim que chegou perto de Laura. Todos tinham temido que a relação dos dois fizesse com que os pais os impedissem de viajar sozinhos. Antes de se prepararem para embarcar, ouviram a voz de Edward, que chamou Laura. 

- O que fazes aqui? - Laura perguntou - Achei que não concordavas com esta viagem. Ontem ao almoço deixaste isso bem claro... - A rapariga tinha aceite almoçar com o pai no dia anterior e percebera que as ideias do progenitor se mantinham as mesmas.

- E não concordo! - admitiu - Por isso mesmo é que aqui estou! - acrescentou, deixando bem claro o que pretendia

- Se pensas que nos vais impedir de viajar, estás muito enganado, Edward! - Theresa meteu-se.

- Tu e o teu filho podem viajar à vontade, Theresa! - disse, olhando de lado para Leo - Mas a Laura é menor de idade e eu não permito que a leves. Sei lá se a deixas voltar! - acusou

- Só podes estar a brincar comigo, Edward! - Ela quase gritou. Se ele queria ir por este caminho, então ela teria de ir por um que ele odiava: escândalos em lugares públicos. - A Laura vai viajar com a mãe! Vai conhecer a família que o pai nunca lhe permitiu conhecer. Nem penses que nos vais tirar também isso. 

- Não te esqueças de que ela é menor, Theresa! E eu sou advogado... - ia dizer, mas foi interrompido

- Uau!! És advogado! - Theresa falou ainda mais alto - E eu sou uma mulher que viveu numa mentira durante 17 anos, aterrorizada por um marido controlador. Posso levar-te a tribunal! - ameaçou - Mas claro, tu és advogado, quase me esquecia! Sempre posso antes pegar na história e contá-la publicamente! Sabes aquela minha amiga jornalista? Está ansiosa por ter um caso mediático no programa dela! - Sabia que era o ponto fraco de Edward. 

- Isso é uma ameaça?!

- Entende como quiseres! Só quero que percebas que não me metes medo. Já não, Edward! Queres apresentar queixa contra mim por "rapto"? Vai em frente. Será apenas o início da tua queda pública! - disse, confiante - E agora, se nos dás licença, temos um avião para apanhar. Ah, e antes que digas que preciso de provas, tenho muitas. E testemunhas também! 

E sem dizer mais nada, todos seguiram atrás de Theresa para o local de embarque. Laura foi a única a olhar para trás, com os olhos cheios de lágrimas. Só queria, por uma vez na vida, ter o apoio do pai. Leo viu a cena e aproximou-se dela, colocando-lhe o braço à volta dos ombros, e seguiram em silêncio. 

Os três meses na Irlanda foram inesquecíveis para todos. Principalmente para Theresa e os filhos, que puderam finalmente conhecer a família, falar das suas vidas, trocar memórias, reconectar-se. Edward telefonou algumas vezes, em modo de controlo. Depois de algumas semanas, Laura deixou de atender o telefone. Não podia permitir que o controlo do pai continuasse a estragar a sua vida. Só o voltou a falar com ela quando regressaram. 

Leo, Nick, Alex e Tim conseguiram todos entrar no ensino superior. Laura e Alycia iriam continuar na escola por mais um ano. No entanto, os rapazes estavam todos bastante perto, por isso não iriam ter tempo para ter saudades uns dos outros. Theresa tinha decidido recomeçar a sua vida. Tinha finalmente marcado um encontro com o médico que acompanhara Laura quando esta foi atropelada. Alycia e Tim continuavam juntos. E, tal como tinha previsto, Anthony pedira Meredith em casamento. Mas já não achavam a sua situação familiar estranha. Leo e Nick tinham conseguido entrar em duas faculdades próximas, por isso tinham finalmente ido morar juntos, numa casa só deles. 
No dia em que fez cinco anos desde o dia em que uma saída à noite do grupo terminara na praia, tal como Laura os fizera prometer, os amigos encontraram-se na mesma praia, desta vez acompanhados por Tim. 

- Até parece que não estivemos todos juntos ontem! - Leo disse, provocador, quando viu que todos estavam meio emocionados com o cumprimento daquela promessa clichê

- Mas é diferente, tem outra emoção! - Alycia disse - E desta vez não preciso que seja a Laura a agarrar-me a mão, tenho cá o Tim - brincou

- Durante aquele ano letivo, pensei nesta promessa e admito que tive dúvidas de que a conseguiríamos cumprir... - Laura admitiu - A pressão do  pai, toda a história dos avós e da mãe. Sei lá, tive medo que não aguentássemos e que optássemos por nos afastar. Que vocês preferissem seguir o caminho mais seguro, fugir da confusão que a minha vida e do Leo eram... - confessou - Mas ainda bem que não desistiram, nenhum de vocês... - acrescentou

- Chama-se amor! - Nick disse. Já todos estavam emocionados naquele momento. - E foi a prova de que, venha o que vier, o grupo vai continuar unido - acrescentou com um sorriso

 - Mudou tanta coisa! - Alycia relembrou - A Laura e o Leo reecontraram a família, o Nick e o Leo vivem juntos, eu e o Tim também. Os nossos pais casaram! - Ela começou a enumerar

- Acho que devemos estar orgulhosos de tudo o que conseguimos depois daquele ano turbulento... - Laura disse, feliz e orgulhosa - Achas que ele vai estar lá amanhã? - perguntou de repente, olhando para o irmão

- Sinceramente, acho que não! - ele disse de imediato - Não falo com ele há anos, só o vejo nas festas de anos dos avós... Duvido que ele queira estar presente no casamento de alguém que decidiu deixar de ver como filho... - disse, claramente triste. Por mais tempo que passasse, isso seria uma ferida que nunca ia sarar completamente. 

- Acho que nem todas as histórias têm um final cem por cento feliz... - Laura lamentou, abraçando o irmão

- Mas nós podemos fazer com que seja um dia incrível! - Tim falou - Acho que simplesmente temos de aceitar e tentar seguir em frente, aproveitar as coisas boas que temos... - disse. Também ele não tinha retomado a relação com os pais. 

- E se fôssemos almoçar no café ao lado da escola? - Alex sugeriu - Este é um dia de recordações, de aproveitarmos e celebrar a nossa amizade. Acho até que devíamos tornar isto num hábito anual. Uma tradição de amizade! 

- Uau! Estás mesmo a ficar igual à tua namorada! - Nick gozou, fazendo todos rir. 

- É o amor! - Laura disse, olhando um a um com um sorriso - Antes de irmos, só quero dizer mais uma vez que estou muito grata por vos ter na minha vida, por serem a minha família. Eu sei que foi a minha revolta contra inustiças, a minha vontade de mudar o mundo que deu início a isto tudo... Mas foram vocês que me deram forças para não desistir. Foi uma grande jornada naquele ano e sei que muitas feridas nunca vão sarar mas... obrigada! - Laura puxou-os para mais um abraço, certos de que viesse o que viesse, aquela amizade, aquela família que criaram, nunca ficaria para trás. 

 

FIM

......................................

E assim chegamos ao fim de You and I! E que grande jornada foi escrever esta história. Vou fazr um post final com todo um agradecimento e com algumas coisas que quero partilhar com vocês sobre todo este processo de escrita. Mas quero já deixar aqui um OBRIGADA gigante por estarem desse lado, por acompanharem, por terem paciência. Obrigada mesmo! Até breve!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub