Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

You And I

06
Mai18

"Amnesia" - Capítulo 43


JustAnOrdinaryGirl

Resultado de imagem para lucy hale cry gif

- E a inspetora Lydia acreditou mesmo nisso? – Clark perguntou, incrédulo. Lydia tinha ido ter com eles depois da conversa com Mia e John – Não lhe passou pela cabeça que isso não passa de uma farsa? – Questionou-a

- Se tivesse estado lá, Dr. Clark, provavelmente iria ter outra opinião – Lydia defendeu-se

- Sim, provavelmente iria perceber que o John obrigou a Mia a mentir. Ele tem conseguido dar a volta a todas estas situações e acaba sempre por se salvar – Clark explicou a sua ideia – A Mia não gosta do John

- Dr. Clark, acredite em mim quando lhe digo que alguma coisa se passa entre eles os dois – Lydia garantiu, lembrando-se de como os encontrara momentos antes – E além da história deles bater certo, a verdade é que não há qualquer prova que indique que estão a mentir. – Explicou – E não quero dizer que desistimos de investigar o John em relação à morte do Robert. Essa investigação ainda está a decorrer. No entanto não podemos fazer nada em relação ao “desaparecimento” da Dra. Mia. Ela é maior de idade, não apresentou qualquer queixa e encontrámo-la bem. – Concluiu

- E não acha esse relacionamento no mínimo estranho? – O médico insistiu – A Mia envolvida com a pessoa que lhe matou o irmão? Ou o John envolvido com a possível cúmplice da morte dos melhores amigos? – Continuou

- Quando se trata de amor, as coisas mais improváveis podem acontecer – Lydia disse, fazendo com que April se recordasse da história pessoal da inspetora

- Isso quer dizer que não vai fazer nada? – Clark insistiu. Não aceitava aquilo

- Como já lhe disse, vou continuar a investigar o assassinato do Robert – Lydia repetiu, olhando para April – Em relação a esta história da Dra. Mia e do John não posso fazer mais nada. Não sem qualquer tipo de prova – explicou – Mas fale com ela, Dr. Clark. Se a conhece assim tão bem, perceberá que entre os dois há realmente alguma coisa – Depois de deixar este conselho, Lydia deixou April e Clark sozinhos, dirigindo-se depois à polícia judiciária para dar continuidade ao seu trabalho. Julian estava a aguardar julgamento e tinham finalmente o culpado da morte de Matheus e Thomas e do acidente de April. Duvidava que conseguissem associar Mia ao caso. Muito menos agora com o testemunho de John. Mas Lydia continuava a querer encontrar provas contra John e não ia desistir.

*************************

- Achas que a Mia e o John têm mesmo alguma coisa? – April perguntou enquanto os dois passeavam pelo jardim

- Não – Clark disse sem ter de pensar no assunto – A Mia gostava de mim, April. Aliás, ela sempre esteve contra o nosso namoro por causa dos ciúmes – explicou – Duvido que de repente ela se apaixonasse pela pessoa que lhe matou o irmão

- Mas pelos vistos não foi de repente – ela insistiu – Pelos vistos a relação deles já dura há mais tempo, Clark. Ela podia gostar de ti e ao mesmo tempo sentir-se atraída por ele – disse – Apesar de tudo, há que admitir que o John é um rapaz atraente, com aquele aspeto de bad boy e tal. Qualquer rapariga poderia sentir alguma coisa por ele – comentou, fazendo Clark erguer uma sobrancelha

- Qualquer rapariga? Tu também? – Perguntou, um pouco perdido

- Não estive apaixonada por ele, Clark. Eu estava com o Robert e amava-o – ela explicou – Mas sim, eu achava o John sexy e atraente – admitiu e viu Clark voltar a erguer uma sobrancelha – O que foi? Vais dizer que nunca sentiste isso em relação a ninguém? – ela provocou e ele acabou por sorrir – Enfim, o que interessa aqui é perceber se esta história pode ou não prejudicar a investigação – Ela disse, voltando ao tópico principal daquela conversa

 - Tipo ilibarem-no da morte do Robert? – Clark perguntou e viu a namorada acenar – Duvido que a Mia fosse capaz de dizer alguma coisa que o ilibasse disso. Ela e o Robert podiam não ter uma relação, mas não deixavam de ser irmãos. E ela adora a família.

- Mas e se em troca ele a ajude a livrar-se da suspeita do envolvimento dela no acidente? – April questionou – Eu duvido que o John perdoe isso mas... E se acontecer? Achas mesmo que ela não seria capaz? – Esta pergunta fez com que Clark parasse. Ficou uns segundos à procura da resposta

- Acho que só o faria se tivesse a certeza de que não foi ele quem matou o Robert – Clark acabou por responder. April deu-lhe a mão e retomaram o seu caminho, desta vez em silêncio. Contudo, a cabeça de ambos estava cheia de perguntas, a maioria sem resposta.

*************************

- Achas que a inspetora acreditou? – Mia perguntou. A médica já estava vestida com as suas roupas e estava a prender o cabelo num rabo-de-cavalo. Sentado no sofá, John estava a observá-la

- Acho que sim, pelo menos na parte de alguma coisa se passar entre nós – John disse, ficando a olhá-la por uns segundos, sem dizer mais nada

- Era esse o objetivo, não é?- Mia perguntou, desviando depois o olhar – E agora, o que é que fazemos?

- Em relação a quê? – John perguntou

- Em relação ao eu estar aqui, John! – Mia explicou, apesar de saber perfeitamente que o rapaz sabia do que ela estava a falar – Agora que a inspetora confirmou que eu tenho estado aqui, o que é que vais fazer? Vais obrigar-me a continuar aqui? Eu ajudei-te! Acho que está na hora de me ir embora – ela disse. John endireitou-se no sofá e apoiou a cabeça nas mãos, pensando por uns segundos – John, a inspetora pode ter acreditado nesta história mas se eu continuar aqui, ou se me acontecer alguma coisa, achas que ela vai continuar a acreditar? Vais ser o primeiro suspeito! – Mia tentou fazê-lo perceber a situação – E então?

- E então talvez tenhas razão! – Ele acabou por dizer, olhando-a novamente – Talvez esteja na hora de ires realmente embora – acrescentou

- A sério? – A médica ficou confusa – E a tua vingança?

- Por enquanto ficamos assim. Ver-te nessa angústia, sem saberes o que te iria acontecer, sem saberes se ias ou não sair daqui viva. Por enquanto já foi vingança suficiente... Dra. Mia – ele apenas disse – Além disso, agora vais ter de manter esta história de estarmos juntos se não queres ser acusada de nada - acrescentou

- John... – Mia começou mas depois hesitou por alguns segundos. Viu a curiosidade nos olhos dele – Algum dia pensaste em matar-me? Acabar comigo tal como o meu pai fez com os teus amigos? Tal como fizeste com o Robert? – Ganhou coragem para perguntar

- Não! – A sinceridade dele surpreendeu-a – Por muita vontade que tenho de me vingar, sei que na hora H não seria capaz de o fazer. Muito menos a ti, Mia – Os olhos dela começaram a encher-se de lágrimas e ela limpou-os para ele não ver

- Porquê? – Ela apenas conseguiu perguntar

- Eu posso parecer a pior pessoa do mundo, Mia, e talvez até seja, não o nego – John estava a ser sincero. Não sabia explicar o motivo, mas sentia-se bem a falar assim com Mia – Mas matar alguém? Isso requer uma coragem que eu não tenho. Não seria capaz de olhar alguém nos olhos, ter uma pessoa à minha frente e tirar-lhe a vida. A não ser que fosse de uma forma acidental, isso não podemos controlar. Portanto não, eu nunca pensei em matar-te – Contou e desta vez foi ele que se escondeu para que Mia não o visse de olhos marejados de lágrimas – Por isso vai à vontade, por enquanto esta história vai ficar assim. Mas fica pela cidade, isto ainda não acabou. Não te esqueças que temos uma história para defender – acrescentou. Mia apenas acenou. Não sabia o que dizer, não depois de ouvir John dizer aquelas palavras. Caminhou para a porta daquela garagem, ansiando por sentir-se livre novamente. Quando estava prestes a agarrar a maçaneta da porta, sentiu o rapaz puxá-la pelo braço, virando-a para si. Ficarão tão próximos que ela apenas engoliu em seco. No momento seguinte sentiu os lábios de John nos seus. Foi um beijo rápido, mas desta vez porque lhe apeteceu, não para criar uma história como antes. Foi mais um beijo de despedida. – Eu não o matei, Mia! – Ele sussurrou, olhando-a nos olhos, e depois deixou-a ir. Quando finalmente saiu para a rua, Mia tinha aquelas palavras na cabeça Eu não o matei. E depois lembrou-se do que ele dissera sobre matar alguém. Seria possível?

.......................

Boa tarde! Aqui fica mais um capítulo! O que têm a dizer de tudo isto? Concordam com o Clark ou acham que Lydia tem razão ao achar que se passa realmente alguma coisa? O final ficou mais uma vez um pouco em aberto, com mais uma grande questão. Será que a Mia acredita mesmo no John? Deixem as vossas opiniões/teorias aqui nos comentários :) E obrigada a quem continua desse lado. Fiquem bem e até ao próximo capítulo!

2 comentários

Comentar post