Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

You And I

25
Mar18

"Amnesia" - Capítulo 40


JustAnOrdinaryGirl

Imagem relacionada

Mia abriu os olhos e espreguiçou-se. Tinha adormecido ao final da tarde naquele sofá, naquele sítio que nos últimos dias tinha sido a sua “casa”. Olhou à sua volta. Primeiro reparou em John a dormir no sofá ao lado daquele onde ela dormia. Aquilo nem era um sofá, era mais uma poltrona velha e cheia de pó. Estava todo encolhido. Bom, antes ele do que ela. Pelo menos dormia num sofá minimamente confortável. Depois reparou na imundice em que estava aquele local. Havia garrafas de cerveja e água, caixas de pizza e de outras comidas espalhadas pela mesa. Não aguentava muito mais tempo ali, muito menos a ter de viver daquela maneira. O seu olhar voltou a recair sobre John. Apesar da treta de pessoa que ele mostrava ser, tinha de admitir que ele até era bonito. Um daqueles típicos bad boys por quem as raparigas ficavam malucas. Também ela tinha passado por essa fase no ensino secundário com um rapaz chamado Ruben. Mas não era hora para recordar outros tempos. Agora precisava numa maneira de sair dali, de resolver aquela situação o mais depressa possível. O seu olhar voltou a recair sobre John e deixou-se ficar por uns segundos.

- Não me digas que é isso que fazes quando eu estou a dormir – John falou, ainda de olhos fechados, e Mia sobressaltou-se. Ele estava acordado? – Podes olhar miúda, é algo que vale a pena ver – provocou, abrindo agora os olhos e encarando-a. Mia corou ligeiramente

- Não sejas estúpido! – Mia reclamou, disfarçando o embaraço de ter sido apanhada – E para de me chamar miúda de uma vez por todas – avisou, levantando-se – Estou farta disto, John! Estou farta de estar aqui, de ter de conviver contigo todos os dias, de ter de viver nesta porcaria de sítio – disse, olhando para ele – De uma vez por todas, diz-me o que é que queres de mim! – Levantou a voz – Eu preciso de saber alguma coisa, John, não aguento viver assim nesta incerteza – as lágrimas ameaçaram aparecer e ela afastou-se dali, tentando ir para longe dele. Mas isso era quase impossível já que estava confinada àquela garagem. Ele viu-a caminhar para um canto e depois viu-a agarrar numa garrafa de cerveja que ali estava e atirar com ela com toda a força que tinha.

- Ei! – John gritou, levantando-se – Eu sei que isto não é uma casa dita normal mas não tens de começar a partir coisas, está bem? – Ele avisou, aproximando-se mais dela

- Tens razão, isto não é uma casa normal – Mia concordou – É uma espelunca e eu estou farta de estar aqui, John! Como é que consegues viver nesta porcaria de sítio? Isto é nojento, é frio, é feio, é... Horrível! – Gritou – E eu estou tão farta desta merda! FARTA! – Gritou a plenos pulmões. Pegou noutra garrafa de cerveja e atirou-a, desta vez contra John, que teve apenas tempo de se desviar

- Mas estás maluca? – John perguntou, levantando também ele a voz

- Talvez esteja! – Mia concordou – Mais valia ter-me entregue logo à polícia, sabes? Pelo menos assim sabia com o que podia contar – desabafou

- Sabes que mais? Estás a precisar de alguma coisa que te acalme. – John constatou – Vai mas é tomar um banho e demora o tempo que precisares – aconselhou – Antes que faças alguma coisa que complique ainda mais a tua situação... Doutora Mia.

***** ***** ***** ***** *****

April foi dar com Clark esticado em cima da cama. O rapaz tinha ido para o quarto enquanto ela acabava de arrumar a cozinha e estava agora absorto em pensamentos, a contemplar o teto.

- Estás a pensar na Mia, não estás? – April perguntou, deitando-se ao lado dele

- Eu sei que pode ser estranho para uma namorada ouvir que o namorado está a pensar noutra mas... sim, tenho estado a pensar nela – admitiu

- Poderia fazer uma cena de ciúmes se a situação fosse outra – April disse, um pouco em tom de brincadeira – Mas neste caso eu percebo. A situação é complicada. E talvez devamos fazer alguma coisa – sugeriu

- Eu já tentei ligar para ela mas o telefone está desligado – Clark disse

- E não tens o número de um familiar, um amigo? – April lembrou-se

- A mãe dela – Clark disse, levantando-se de imediato – Eu acho que tinha o número apontado numa agenda qualquer – O médico foi à sala e vasculhou uma das gavetas do móvel onde estava o telefone fixo. Lá no meio encontrou o papel onde tinha o número. Mia dera-lho há uns tempos, ainda na faculdade. A chamada foi de curta duração. A mãe de Mia não tinha muito a dizer e Clark tentou não deixá-la preocupada.

- Então? – April perguntou. Esteve todo o tempo da chamada sentada no sofá, à espera de algumas novidades.

- Aparentemente a Mia está fora, numa conferência qualquer – Clark anunciou

- Mas não acreditas muito nisso, pois não?

- A mãe da Mia dessa que ela deixou uma mensagem a dizer que ia estar na conferência e que a comunicação entre as duas seria complicada e que seria ela a liar quando estivesse disponível – o médico contou – A Mia nunca deixaria uma mensagem. Ela liga sempre à mãe. Além disso não se falam há uma semana. – Acrescentou

- Nesse caso acho que ambos sabemos quem é a próxima pessoa a quem temos de telefonar – April disse e Clark assentiu, percebendo de imediato a quem a namorada se referia.

.............

Boa tarde! Hoje trago-vos mais um capítulo de Amnesia! (finalmente). E sim, este capítulo é mais pequeno mas isso é porque é uma breve introdução ao que aí vem. No final a April e o Clark estão prestes a ligar a alguém importante para resolver esta questão. Portanto vão-se preparando para o próximo capítulo. Que é, na verdade, a entrada na reta final desta história que já vai com 40 capítulos! Nem acredito que já escrevi tanto! Espero que estejam a gostar e que gostem ainda mais do que aí vem! Deixem as vossas opiniões :) Fiquem bem e até ao próximo capítulo!

 

1 comentário

Comentar post