Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

You And I

22
Out17

"Amnesia" - Capítulo 26


JustAnOrdinaryGirl

Imagem relacionada

O encontro com John e a conversa que tiveram fez com que April passasse a noite acordada. Tinha ficado a trabalhar até mais tarde para compensar aquela pausa e desde que chegara ao seu quarto na pensão já tinha dado mais de cinquenta voltas. Por muito que na altura estivesse corajosa o suficiente para decidir que estava na altura de enfrentar John, agora começa a ficar nervosa. Ela podia não ter muito a perder, mas não se podia esquecer da família de Daisy e não se podia esquecer de Clark. Podiam não estar juntos mas John não parecia importar-se com isso.

A noite foi passada ora às voltas na cama, ora a olhar para o teto, ora sentada à janela a ver a noite lá fora. Eram seis da manhã quando decidiu fazer alguma coisa. April lembrava-se de uma vez Clark lhe ter dito que correr o ajudava a esquecer os problemas e era isso que ela precisava. E em parte era verdade. Durante o tempo que andou a correr, ou simplesmente a caminhar a apreciar o nascer do sol, nada mais lhe ocupava a mente. Mas quando voltou à pensão e entrou no duche os problemas voltaram a fazer-lhe companhia. April acabou por se arranjar e saiu para a terapia. Desde que lá andava já se tinha recordado de várias coisas e fazia-lhe bem desabafar com alguém que a compreendesse e que a ajudasse a sentir-se melhor e a entender-se a si mesma. A consulta demorou o tempo habitual e, quando saiu, a loira lembrou-se que tinha uns exames para fazer. Percorreu o hospital e pelo caminho rezou para que Clark não a visse. Não estava preparada para dar de caras com ele. Ainda não. Mas foi então que sentiu uma mão pousada no seu ombro e foi como se de repente ficasse sem chão. Engoliu em seco e virou-se para a pessoa atrás de si.

- Doutora Mia – April suspirou, fazendo a médica erguer uma sobrancelha

- Até parece que ficas feliz por me ver – Mia respondeu notando-se perfeitamente o tom irónico

- Por acaso ainda bem que a vejo – a jovem disse – Tenho uns exames para fazer – disse

- Mas eu não sou a tua média, April – Mia disse sem pensar muito no assunto

- Pois, eu sei que não mas… Eu preferia que a doutora tratasse deste assunto em vez do Clark – acabou por confessar – Pode ser? - pediu

- Sim, eu posso fazer isso – Mia acabou por concordar – Anda comigo – April seguiu a médica começando a achar, a cada passo que davam, que mais valia ter pedido a outro médico – Eu vou procurar a tua ficha e já te encaminho para os exames. Senta-te – disse, apontando a cadeira em frente da secretária – E como está a tua memória? - Mia perguntou ao fim de alguns minutos de um silêncio constrangedor

- Recuperei alguma mas nada de especial – April respondeu, sorrindo quase de forma impercetível

- Tudo o que recordares é parte de ti por isso tudo deve ser especial – Mia discordou dela

- Sim, talvez, mas são apenas pormenores – a loira disse

- Quer dizer que ainda não te lembras do acidente? – Mia perguntou, curiosa e estudando a expressão da outra

- Não, ainda não – acabou por dizer – Obrigada por ter aceitado fazer os meus exames – mudou de assunto, achando que o da sua memória, ou falta dela, não as levariam a lado nenhum

- Sabes, apesar de eu não ser a tua maior fã numa coisa tenho de concordar contigo – Mia começou – O Clark não merece ser vítima do teu passado, não tem de passar por uma situação igual àquela que passou recentemente – disse – Eu já percebi que foi por isso que o deixaste e que agora o andas a evitar – explicou

- Sim, lá nisso temos de concordar – April acabou por dizer, sabendo perfeitamente que a médica tinha toda a razão – Como é que ele está?

- Como deves calcular depois de ter sido espancado está a recuperar – a morena disse – Também está a sofrer por tua causa mas isso passa-lhe. É assim que funcionam estas paixonetas, atacam com força mas depois acabam por passar – disse num tom frio e sem rodeios

- Ele disse-lhe isso? – April não queria acreditar que ele o tivesse dito

 - Não foi preciso – Mia olhou-a nos olhos – Mas dá para perceber. Achas o quê? Que ele se ia perder de amores por ti, que iam ficar felizes para sempre? Além da vossa diferença de idades, que é bastante óbvia, ainda há o facto de vocês não terem nada em comum. Ele é médico, tem uma carreira de sucesso pela frente…

- E eu não passo de uma miúda que viveu numa instituição, sem família e que ganha a vida a servir às mesas não é? – April disse aquilo enquanto olhava para a médica

- Não foi nada disso que eu disse – Mia tentou defender-se mas April levantou-se e interrompeu-a

- Não foi preciso. Eu sei que gostas do Clark desde há muito tempo e que houve alguma coisas entre vocês – April viu a surpresa no olhar dela – Sim, ele contou-me. E mesmo que não contasse eu vi o ciúme na tua cara quando me viste com a roupa dele e quando percebeste que tínhamos passado a noite na mesma cama. Admite que isto até dá jeito, nós estarmos separados. – April reparou que estas palavras tinham afetado Mia.

- Tu não me conheces para dizer esse tipo de coisas, não sabes de nada sobre mim e o Clark – Mia disse-lhe

- Mas sei sobre mim e ele e sei que o que tivemos foi sincero. Caso contrário ele não teria feito queixa do John

- Ele fez queixa do John porque esse tipo o agrediu, não por tua causa – Mia riu

- Tu não sabes de metade, Mia – April disse estas palavras e saiu porta fora, deixando Mia estupefacta e a achar que a rapariga tinha perdido o juízo de vez.

April precisou de algum tempo para se acalmar. Arranjar outra inimiga era só o que lhe faltava agora. Em vez de chamar um táxi caminhou até ao café onde tinha combinado encontrar-se com Daisy. Quando chegou a amiga já estava sentada a ler o menu de almoços. Comeram qualquer coisa rápida enquanto April contou o que acontecera com Mia e depois seguiram para a esquadra para falar com Lydia. Um polícia mandou-as aguardar numa sala. Sentaram-se em silêncio. Quando a porta se abriu viram entrar a inspetora, que vinha acompanhada de Clark. As duas raparigas levantaram-se e os olhos de April ficaram fixos nos de Clark, que também a olhava. Um sorriso estava prestes a aparecer nos rostos de ambos quando apareceu mais alguém.

- Eh lá, se o olhar matasse vocês os dois já estavam caidinhos no chão – Era John que estava a olhar alternadamente para April e Clark. Ela desviou o olhar e pousou os olhos em Lydia, esperando que a inspetora falasse – Não sabia que vinha para uma reunião, devia ter vestido qualquer coisa melhor – disse com a sua habitual ironia

- Não é uma reunião, Sr. Stewart – Lydia falou claramente sem paciência para comentários daquele género – Vocês estão aqui para serem interrogados

- Todos juntos? – John interrompeu

- Deixe as perguntas para mim – Lydia avisou – Será interrogado um de cada vez mas chamei-vos a todos para evitar que sejam transmitidas informações durante os interrogatórios

- Isso é aqui com estas duas, inspetora. É que a Daisy e a April gostam de contar tudo uma à outra – John falou novamente

- Sr. Stewart agradeço que não leve isto como uma brincadeira – Lydia voltou a avisar – No entanto ainda faltam algumas pessoas – informou – E por isso mesmo estão à vontade para ir buscar café, água – aconselhou – Assim que o interrogatório começar não podem sair daqui – acrescentou

- Importa-se que use a casa de banho? – Daisy pediu e saiu da sala quando a inspetora concordou. Estava nervosa e precisava de lavar a cara antes de começarem com os interrogatórios e ter de reviver tudo outra vez.

- Eu vou preparar alguns documentos e vou ver se os restantes já chegaram – Lydia informou e dirigiu-se para a porta – Ah, é verdade, Sr. Stewart, pode entrar na sala ao lado se quiser falar com o seu irmão, ele também está à espera para ser ouvido – informou e saiu. John saiu quase a correr para ver Adrian e April e Clark acabaram sozinhos na sala. O silêncio tornou-se sufocante e nenhum deles sabia o que fazer. Olharam um para o outro e sorrisos constrangidos apareceram.

- Eu vou lá fora – April disse de repente e passou por ele em passo rápido evitando que ele a pudesse agarrar. Lá fora respirou fundo e começou a andar pelos corredores com o objetivo de encontrar a casa de banho ou uma sala vazia onde pudesse recuperar. Uma voz chamou-a à atenção. A conversa ia a meio e, pelo que percebeu, apenas uma das pessoas falava. Não percebeu se era um telefonema ou se estava mais que uma pessoa ali dentro porque um conjunto de palavras fez a respiração dela ficar acelerada. Chama vingança, chama justiça, chama o que quiseres. Tinha de ser assim, ele tinha de pagar e aquele era o preço. A morte foi o preço.

Aquelas palavras faziam a mente dela latejar. Encostou-se a uma parede para manter o equilíbrio e tentou juntar as peças. E então percebeu que tinha as peças suficientes. Viu a inspetora dirigir-se à sala onde os iria interrogar e, sem saber bem como, conseguiu dirigir-se a ela.

- Inspetora Lydia – chamou já ao pé dela

- April, está tudo bem? Está pálida – Lydia examinou o rosto da jovem e só teve tempo de a segurar por um braço quando April teve uma tontura e quase caiu. Levou-a para dentro da sala onde Clark continuava.

- O que é que se passa? – O médico aproximou-se e ajudou a sentá-la – April, o que é que sentes? Inspetora, o que se passou?

- Não faço ideia. Ela chamou-me quando eu vinha para aqui. Vinha pálida, a tremer. Só tive tempo de a segurar – Lydia explicou, olhando para o estado de April, que tentava controlar a respiração.

- April, respira fundo – Clark pediu, agarrando-lhe a mão – Com calma – pediu

- Eu lembrei-me – April disse de repente, deixando os dois a olhar um para o outro e depois para ela, à espera de mais alguma coisa – Inspetora Lydia, eu lembrei-me. Eu sei o que aconteceu naquele dia!

 

.................

Boa noite! Apesar de um pouco depois do habitual, aqui fica mais um capítulo. Parece que as coisas vão mudar já que a menória da April decidiu cooperar com esta investigação. Desconfiam quem seja a pessoa que ela ouviu dizer aquilo? Deixem os vossos palpites aqui nos comentários!! O reencontro da April e do Clark tinha de ser interrompido pelo John, ele não sabe estar calado. Mas espero que tenham gostado deste capítulo. A história está a entrar na reta final mas ainda há alguns capítulos até ao fim. Fiquem bem e até ao próximo capítulo :)

4 comentários

Comentar post