Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

You And I

30
Jul17

"Amnesia" - Capítulo 15


JustAnOrdinaryGirl

 

 

Quando entraram no carro, April puxou as suas pernas para cima e abraçou os joelhos, continuando assim todo o percurso até casa. A viagem foi toda feita em silêncio. April queria dizer qualquer coisa, agradecer a Clark por a ter tirado da casa de banho, por a ter defendido de John, mas não sabia como começar. E Clark também queria dizer alguma coisa. Perguntar-lhe se estava bem, o que tinha acontecido. Pedir desculpa por ter batido em John, pedir desculpa por a ter convencido a sair de casa e ter acabado por coloca-la naquela situação. Mas, tal como acontecia com ela, também ele não encontrava as palavras certas.

Por fim, depois do que lhes pareceu a viagem mais longa de sempre, chegaram finalmente a casa. Clark estacionou o carro e ambos entraram em silêncio dentro do prédio. Ambos entraram em casa e continuavam a não encontrar as palavras certas para começar uma conversa. April entrou na cozinha e encheu um copo com água.

- Desculpa – Foi Clark quem começou a conversa. Estava na entrada da cozinha e olhava para ela.

- Porquê? – April perguntou, virando-se e encostando-se à bancada da cozinha

- Por te ter levado àquele bar e por te ter metido naquela confusão – Ele explicou o seu pedido

- Não tens de pedir desculpa, Clark – a rapariga disse-lhe – Eu é que tenho de te pedir desculpa por te ter arrastado para os meus problemas com o John – foi a vez dela de se desculpar

- Não, não tens – Clark rejeitou o pedido de desculpa – Estás bem? – Perguntou, esquecendo a ideia de arranjar culpados para a situação – O que é que ele queria?

- Queria saber se eu já tinha recuperado a memória – April contou-lhe – O John quer garantir que eu não vou à polícia contar o que sei sobre a morte do Robert – acrescentou, justificando o interesse do outro na sua recuperação

- Tu sempre soubeste que tinha sido ele – Clark constatou – Porque é que nunca fizeste nada? – Perguntou mas depressa chegou à resposta – Claro, ele andava a ameaçar-te a ti e à Daisy – constatou

- Sim, provavelmente esse era o motivo das ameaças – April disse – Mas há mais motivos para ele andar atrás de nós – acrescentou, fazendo Clark erguer uma sobrancelha – O John tem um irmão que está preso. E pelos vistos a culpa de ele estar na prisão é do Robert. Foi por isso que eles o mataram, por vingança. E pela conversa do John acho que eu e a Daisy também tivemos alguma coisa a ver com a prisão dele – A loira contou e Clark arregalou os olhos e respirou fundo, tentando entender a situação

- Achas que pode ter sido ele a sabotar os travões do carro? – Clark perguntou de repente

- Não – April disse, abanando a cabeça e certa do que estava a afirmar – Os rapazes que morreram eram como irmãos para ele, conheciam-se desde pequenos. E eu sei que o John não presta mas eu vi a cara dele quando falou neles. Ele não seria capaz de os pôr numa situação de risco – confessou – Mas ele acha que eu seria – A rapariga disse de repente deixando Clark sem reação, sem saber o que lhe dizer, de olhos arregalados.

- Ele acha que tu sabotaste um carro onde ias entrar e correr o risco de morreres? – Clark estava estupefacto – Isso não faz sentido, April! – Acrescentou

- O problema é que eu não entrei no carro por vontade própria, Clark – April confessou – Eles apanharam-me no sítio onde eles se costumavam juntar e parece que me puseram a dormir e depois meteram-me no carro. Quando acordei o carro já estava em andamento – contou o que John lhe contara mais cedo nessa noite. Algumas lágrimas escorriam-lhe pelo rosto. Clark quebrou a distância que os separava e puxou-a para si, envolvendo-a nos seus braços.

- Isso não quer dizer nada, April – Clark falava, a cara dele encostada na cabeça dela – Tu não sabes o que aconteceu e talvez ele esteja apenas a dizer essas coisas para te deixar com medo, vulnerável, para te convencer a fazeres o que ele quer – tentou acalmá-la – Eu tenho a certeza que não serias capaz de fazer uma coisa dessas, de pôr a tua vida em risco por alguém que odeias – disse-lhe. Interrompeu o abraço e segurou-a nos ombros, fazendo-a encará-lo. As lágrimas cobriam-lhe o rosto – Vai tudo correr bem… - April sentia a respiração de Clark na sua cara devido à proximidade de ambos. Clark tirou as mãos do ombro dela. Uma das suas mãos limpou-lhe as lágrimas e a outra segurou numa das mãos de April –

… eu vou estar aqui para te ajudar – A mão de Clark permanecia no rosto de April e ambos fixavam os olhos um do outro. April ainda não tinha reparado bem na tonalidade dos olhos dele mas agora, ali tão perto, conseguia ver a tonalidade e como eram bonitos. Engoliu em seco e percebeu que ele não tinha deixado de a encarar. Mordeu o lábio num impulso.

Tal como April, também Clark observava os olhos dela e de repente o seu olhar recaiu sobre os lábios dela, no exato momento em que ela o mordia ligeiramente. Bastaram uns segundos para que os olhos de ambos se voltassem a encontrar. April quebrou a pouca distância entre eles e levou os seus lábios aos dele. Foi um beijo breve, apenas um encosto de lábios, apenas o tempo suficiente para April perceber o que acabara de fazer. Afastou-se e ficou a olhar para Clark, à espera de qualquer reação da parte dele. E Clark reagiu. Desta vez foi ele quem acabou com a distância e beijou April. A rapariga corresponder de imediato e transformaram um beijo suave num beijo urgente, desesperado, como se há muito esperassem por aquele momento. Clark agarrou April pela cintura e ela entrelaçou os braços à volta do seu pescoço. Por muito que começassem a sentir que precisavam de respirar, nenhum deles queria parar aquele beijo. April sentiu as mãos de Clark agarrarem-lhe a cintura com mais força e depois sentiu o chão desaparecer quando Clark a sentou em cima da bancada. Ela afastou as pernas para que Clark ficasse mais próximo dela. O beijo prolongou-se pelo máximo tempo que conseguiram. Quando pararam estavam ambos ofegantes, as suas respirações sintonizadas, as cabeças encostadas.

- April… - Clark sussurrou com a voz entrecortada – O que é que… - Queria perguntar mas não tinha fôlego para formar grandes frases

- Não faço ideia – April respondeu, dando a entender que tinha percebido a frase incompleta dele. Mantiveram-se assim por mais alguns segundos. April aproximou-se e colou os lábios aos dele novamente mas desta vez Clark recuou

- Não sei se devíamos fazer isto, April – Ele disse, afastando-se ligeiramente. Ela saltou da bancada mas Clark prendeu-a, pondo um braço de cada lado do corpo dela – Nós…

- Já sei, tu tens quase o dobro da minha idade e aos teus olhos eu sou uma criança – Ela respondeu por ele

- Não é nada disso – Ele negou – Eu não te vejo como uma criança, caso contrário não te teria beijado, April – Clark explicou-se fazendo com que a fúria repentina que ela sentira começasse a desaparecer – É só que… hoje foi uma noite complicada, bebemos, estás preocupada, nervosa, vulnerável e eu não quero que faças algo de que te arrependas, percebes? E lamento, talvez devesse ter parado antes mas…

- Eu entendo – April disse e ele sorriu. Continuavam tão próximos que apenas uns centímetros bastavam para voltarem a beijar-se – E obrigada – agradeceu, também ela a sorrir - Por isto que acabaste de fazer e por me teres defendido do John – explicou – E por me teres levado a sair, por me permitires esquecer por uns momentos a confusão que é a minha cabeça – acrescentou

- Se não te tivesse levado a sair terias tido menos uma confusão por isso acho que não tens de me agradecer por isso – Clark disse

- Mas se essa confusão com o John não tivesse acontecido então talvez o que acabou de acontecer entre nós também não tivesse acontecido – ela disse e Clark olhou-a com atenção, certo de que ela iria acrescentar alguma coisa. Mas ela apenas lhe sorriu e depositou um beijo na face dele, saindo depois da “prisão” dos seus braços – Obrigada e até amanhã – despediu-se e foi para o seu quarto, deixando Clark a suspirar na cozinha.

................

Boa noite! Aqui fica mais um capítulo e eu espero que gostem :) Este capítulo acho que é um pouco mais pequeno mas eu compenso nos próximos! Mesmo assim espero que tenham gostado, deixem as vossas opiniões :) Fiquem bem e até ao próximo capítulo.

2 comentários

Comentar post