Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

You And I

27
Fev21

You And I - Capítulo 81


JustAnOrdinaryGirl

Holly palance GIFs - Get the best gif on GIFER

Theresa voltou a respirar fundo antes de contar mais um bocado da sua história. Ultimamente fazia muito isso. Mas sentia-se feliz por, finalmente, ter a coragem de contar tudo. - Depois do acidente, eu só tinha o Edward... - Começou, encarando as mãos ao invés de encarar a família. Ainda sentia alguma vergonha, medo, o que fosse... - Supostamente, vocês estavam mortos e tu, Louise, tinhas cortado relações. Eu não tinha coragem de ir ter com o George, não me sentia capaz de receber todas as recordações que este hotel me dava. E o Leo era tão pequenino... - ela continuava

- Mas não ficaste com ele só por o Leo ser pequenino, pois não? - Louise perguntou

- Não... Eu tinha tentado fugir e o Edward pegou nisso, claro - Ela admitiu - Disse que se eu me quisesse separar dele ou se voltasse a tentar fugir, ele ia fazer de tudo para ficar com a guarda total do Leo. E não era muito difícil. Ele é advogado e eu já tinha colocado o meu filho em perigo com aquela fuga. Bastava ele avançar com o processo e eu perdia o meu filho. Supostamente, já vos tinha perdido a vocês e já tinha perdido o Joseph... Eu não tinha capacidade de perder mais ninguém. Por isso fiquei. E no início o Edward parecia diferente. Apesar dessa chantagem que ele fez, ele depois parecia que estava sempre ali para me apoiar por causa de vos ter perdido. E eu achei que aquilo era mesmo o melhor. Engravidei logo da Laura e durante a gravidez as coisas correram bem... Mais tarde, quando a Laura foi para o jardim de infância, as coisas voltaram a azedar. Eu precisava de mais do que a vida de mãe e dona de casa. Claro que sempre adorei cuidar dos meus filhos, mas eles passavam o dia fora de casa, tal como o Edward. Procurei emprego e encontrei. O Edward não ficou muito feliz mas, quando percebeu que iria trabalhar apenas com mulheres e que muito do trabalho podia ser feito em casa, lá cedeu. - ela ia contando. A família estava triste só de imaginar tudo pelo que Theresa tivera de passar basicamente sozinha. - O casamento não estava bem, mesmo assim. Eu já não era feliz. Um dia perguntei-lhe se não achava melhor que cada um seguisse a sua vida.  Nenhum dos dois era feliz, nem mesmo ele. Claro que ele ia continuar a ver os filhos. E eu estava disposta a fazer um acordo amigável. A ideia caiu-lhe mesmo mal. Dias depois apareceu em casa e mostrou-me uns documentos. A família do Joseph tinha contraído umas dívidas depois da morte dele. Um bom advogado podia ajudá-los... ou levá-los a perder tudo... Eles já tinham perdido o filho, em parte por minha causa... Eu não podia ser a responsável por eles perderem o resto. Por isso deixei-me ficar e aceitava tudo o que ele dizia, tudo... - Contou, já com lágrimas nos olhos. Mas não eram só lágrimas de tristeza, eram de vergonha também. 

- Mas agora estás a tomar uma atitude... O que é que mudou? - Louise quis saber

- Tanta coisa... Há uns tempos descobri que as dívidas da família do Joseph estavam pagas, o que quer dizer que isso já não me prende a ele... - contou - E estou farta de ver os meus filhos sofrer todos os dias e eu ali parada, sem fazer nada. O medo que eu tinha do Edward desapareceu. A Laura lutou sempre por aquilo em que acredita, começou a ir contra o pai sem medos. O Leo mudou e perebeu como o pai está errado... Porque é que eu não hei de fazer o mesmo? - ela disse, feliz por finalmente ter conseguido mudar. Era tarde, sim, mas pelo menos agora sabia que estava disposta a lutar por ela e pelos filhos 

- E nós sem sabermos de ti... - Candice disse, também ela entre lágrimas ao ouvir a história da filha - Como é que conseguiste sobreviver a isto tudo sozinha? 

- No meio disto tudo tive a ajuda dos meus sogros... - ela disse - Eles não são nada como o Edward. E nem sabiam de nada do que se passava. O Edward sempre quis manter as aparências, por isso os problemas nunca saíam de nossa casa. E quando as pessoas vinham lá a casa, estava sempre tudo maravilhoso. Os pais dele sempre que me viam triste, achavam que era pelas saudades, pela falta que vocês me faziam. E também era, em parte... - relembrou - Mas eles sempre foram muito presentes. O meu sogro trabalhava, mas a minha sogra não e estava muito tempo lá em casa a tomar conta da Laura e do Leo. E também do Nick e da Emma, dois dos amigos dos meus filhos. E as mães deles acabam por ser amigas que eu tinha ali. Os tempos que passávamos lá em casa ajudavam muito. E assim íamos vivendo... ou sobrevivendo. Eu fazia sempre de tudo para que os miúdos estivessem felizes... Mas no início deste ano letivo, tudo mudou novamente e o ambiente só foi piorando - ela revelou

- Como assim? Há maneira de ser pior? - Foi Bryan quem perguntou. Estava revoltado ao ouvir o testemunho e só agradecia não ter Edward ali naquele momento, pois sabia que não iria responder por si

- Bem, acho que está na hora de conhecerem um pouco sobre os vossos netos... - Theresa disse - O Nick, um dos amigos de infância da Laura e do Leo, é na verdade o melhor amigo da Laura. São unha com carne, sempre colados um ao outro. Onde um ia, o outro ia também. E a Emma também sempre foi muito próxima. O Leo era o mais "afastado", preferia ir jogar futebol com os outros miúdos bairro. Mas depois os pais da Emma saíram da cidade e a Laura e o Nick ficaram ainda mais próximos. Ele frequentava a nossa casa e passava lá os dias e até as noites. No início do ano letivo, os meus sogros ficaram de lá ir almoçar num domingo e o Edward sugeriu que o Nick estivesse presente. Na verdade, sempre achamos que havia ali um namorico. Só que quando o Edward disse que seria um bom momento para assumirem esse namoro, a Laura revelou-nos que o Nick é homossexual. Ela e o irmão já sabiam há muito tempo, mas claro que era uma coisa dele que não tinha de andar a ser tema de conversa. O Edward passou-se! Proibiu o Nick de voltar lá a casa, proibiu a Laura de ser amiga dela. E segundo ele, tinha medo que o Nick "pegasse a doença" ao Leo. Foi aí que a Laura percebeu o preconceito do pai. Ele já tinha tido algumas manifestações de preconceito, mas nada assim. E o pior é que o Leo estava a ir pelo mesmo caminho. Mas felizmente também começava a abrir os olhos, muito graças à Laura - Theresa ia contando, tendo todos os outros a ouvi-la com a máxima atenção - Claro que a Laura ignorou e continuou com aquela amizade - ela disse, orgulhosa da filha - Era o primeiro dia de aulas e, nesse mesmo dia, chegaram à escola dois novos alunos. A Alycia, uma menina encantadora, que acabou por se tornar uma das melhores amigas da Laura. Desaprovada pelo Edward por ser negra. E à turma do Leo chegou o Alex, por quem a Laura se apaixonou. Mas desaprovado pelo Edward por ser cigano. - Theresa contou depois os pormenores da relação de Laura e Alex e as atitudes de Edward. - Mas não é tudo... O Leo namorava com uma rapariga da escola que acabou por magoá-lo muito. Não sei ao certo o que se passou, ele não quis partilhar. Só sei que o Nick foi um grande apoio para o Leo nessa fase. Os dois criaram uma ligação muito forte e acabaram por se apaixonar... Quando o Edward descobriu... bateu no Leo e expulsou-o de casa... E mais uma vez eu não fiz nada. - A família e George estavam incrédulos. Theresa contou também como Laura quase acabou num colégio interno, a situação de Leo ter saído da equipa e todas as coisas que levaram àquele dia e ao acidente. Eles nem queriam acreditar - Foram anos muito difíceis, mas agora estou disposta a mudar isso. Já chega de viver uma mentira. Só tenho pena porque os meus sogros vão sofrer uma desilusão muito grande quando souberem a verdade. 

- Temos muito orgulho em ti, querida! - Foi Candice quem disse - E estou certa de que, assim que souberem toda a verdade, os teus filhos também vão sentir orgulho na mãe que se sacrificou por eles e pela família do Joseph - ela acrescentou 

- Tens o resto da tua vida para ser feliz, filha - Bryan acrescentou - E agora não há nada que nos possa separar - garantiu - E o Edward que faça o que quiser, desta vez não vamos deixar que nenhuma mentira ou ameaça nos impeça de estar juntos.  - Voltaram a abraçar-se e permaneram assim por mais alguns momentos

- Bem, acho que está na hora de regressar ao hospital - Theresa disse, olhando para o relógio - O Alex ficou com a Laura enquanto o Leo foi tratar da questão do colégio interno. E tenho a certeza de que estão os dois em pulgas para saber o que ando eu a fazer - explicou - Está na hora de conhecerem os vossos netos, os teus sobrinhos - ela disse, feliz. Deixaram o hotel e seguiram rumo ao hospital. 

...................

Boa tarde, como estão? Aqui fica mais um pouco da história da Theresa, espero que tenham gostado, apesar de ser uma história triste e de sofrimento. Obrigada por acompanharem 🤍 Fiquem bem e até ao próximo capítulo :) 

Pág. 1/2