Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

You And I

27
Set20

You And I - Capítulo 67


JustAnOrdinaryGirl

https://ven--seremos.tumblr.com/ - Tumblr Blog Gallery

- Digamos que a única coisa que faz sentido para mim é o que me contou até à chegada dos meus avós à América, para trabalhar - Laura confessou, ainda meio confusa com tudo aquilo. Como é que podia dar uma resposta a George se, dentro da cabeça dela, só exisitam perguntas - Mas o acidente... Lá em casa nunca se falou muito sobre isso. Eu e o meu irmão só sabemos que os nossos avós morreram... o que pelos vistos não aconteceu - esta última parte saiu mais como um susurro - Quando perguntámos por eles, os meus pais disseram que eles tinham morrido ainda antes de eu nascer, quando o meu irmão era muito pequeno - Laura contou - Sabemos que foi um acidente de automóvel pouco depois de terem regressado à Irlanda, mas mais nada... No outro dia encontrei lá em casa umas fotografias, uma delas da Louise, que pelos vistos é minha tia. Mas nunca soube que ela existia. E no outro dia, quando quis falar nela, o meu pai disse-me que ela se tinha afastado depois da morte dos pais... - Laura tentava relembrar mais alguma coisa que soubesse, mas não havia mais nada. Decidiu antes contar a George o por quê de andar agora a vasculhar aquele assunto, o que ele compreendeu perfeitamente

- Pelos vistos, a relação dos teus pais não melhoraram muito... - George comentou e viu Laura concordar, triste - O que pensam fazer agora? - perguntou - Quero que saibas que estou disposto a ajudar no que for preciso, Laura - ofereceu-se. ra o mínimo que podia fazer, afinal, era grande amigo de Bryan e Candice.

- O meu irmão foi hoje falar com os antigos vizinhos dos meus avós, tentar descobrir alguma coisa sobre a nossa família, mas acho que vai acabar por ficar tão baralhado quanto nós - disse - E depois vamos tentar perceber o que fazer... A sua versão dos acontecimentos ajudou muito, obrigada! - ela agradeceu 

- Tenho pena que, estando viva, a tua mãe nunca me tenha procurado... - George lamentou

- Ela acredita que os pais estão mortos, talvez pense o mesmo sobre as outras pessoas... Ela nunca procurou ninguém. Nós nunca tivémos qualquer contacto com família materna, ou amigos... Mas também ninguém a procurou... - Laura parou quando pronunciou aquelas palavras. - E se... Se o George e os meus avós sempre acreditaram que ela morreu, então quer dizer que é provável que todas as outras pessoas pensem o mesmo... - Aquilo, a ser verdade, só tornava as coisas mais macabras... 

- E a tua mãe acredita que os teus avós morreram, por isso nunca procurou ninguém e acabou por cortar relações com o passado... - Foi Alex quem concluiu. 

- George, muito obrigada pela sua ajuda, a sério - Laura voltou a agradecer, levantando-se - Nós vamos tentar descobrir a verdade... o resto da verdade e tentar unir estas peças todas. Acha que pode manter segredo, mesmo dos meus avós? Só por mais uns dias... É importante - pediu

- Claro que sim, querida Laura - George comentou de imediato. Depois, abriu a sua agenda à procura de alguma coisa que acabou por escrever num papel. Quando lho entregou, Laura viu dois números de telemóvel - O primeiro número é o meu. Liga se precisares de alguma coisa, seja o que for - ele disse - O outro é dos teus avós. Para quando estiveres preparada... Acho que deves ser tu a tomar essa decisão e a contar a verdade, não eu - pegou-lhe nas mãos, fixando o seu olhar - Lamento que a tua vida tenha sido esta... mentira. Mas sei que vais conseguir resolver e recuperar o tempo perdido. Os teus avó vão adorar conhecer-te - garantiu. George conseguia rever Candice em Laura. Era decidida como ela, convicta. E depois de ouvir a história de Laura, e de ela lhe ter contado o motivo de querer descobrir a verdade toda, George tinha a certeza de que Laura era a versão jovem de Candice e da menina que Theresa tinha sido na juventude. E tinha a certeza de que, desse por onde desse, Laura ia descobrir a verdade. Laura e Alex despediram-se de George e, à saída, despediram-se também de Sophia, a rececionista que os tinha levado ali. No carro, Alex deixou que Laura assimilasse tudo mais uma vez. Depois, arrancaram em direção à casa de Alycia, onde se iam encontrar com o resto do grupo. Ainda era cedo, mas talvez assim conseguissem encontrar Meredith antes de ela sair. 

***** ***** ***** ***** *****

Entretanto, enquanto Laura e Alex tinham estado à conversa com George no hotel, Leo e Nick tinham ido dar uma volta pela zona onde Candice e Bryan tinham morado enquanto estavam na América. Era uma zona simpática e calma e, pelo que puderam perceber, as pessoas que ali moravam tinham mais ou menos a idade que teriam os seus avós, o que queria dizer que havia boas hipóteses de já morarem ali quando eles lá estavam. Ficaram um pouco dentro do carro, a observar, e a tentarem perceber como agir. Falar com as pessoas mais próximas da casa parecia-lhes a melhor maneira de começar. Antes de saírem, Leo respirou fundo. Não estava tão nervosa quanto Laura, mas também estava. Tinha algum receio do que podia ouvir. Ou de não chegar a descobrir nada. Ao vê-lo assim, Nick pegou-lhe na mão e depositou um suave beijo no seu rosto, encorajando-o depois a começar a busca. 
A casa que tinha pertencido aos avós estava habitada, portanto ali não saberiam grande coisa sobre eles. Mas tentaram as casas vizinhas. Na primeira porta a que bateram, mesmo ao lado da casa que pertencera aos avós, Leo e Nick depararam-se como uma senhora com cerca de 70 anos. 

- Boa tarde, posso ajudar? - A senhora perguntou, observando-os com atenção

- Boa tarde... - Leo cumprimentou - O meu nome é Leonard e este é o Nick... Os meus avós moraram na casa aqui ao lado há cerca de 18 anos... - ele começou, sendo logo interrompido pela senhora

- Neto da Candice e do Bryan? - Ela perguntou, sorrindo logo de seguida - Tenho tantas saudades deles... Mas entrem, por favor - convidou. Conduziu-os até à cozinha e convidou-os a sentar à mesa. Antes de dizer alguma coisa, pegou em três chávenas e numa chaleira e serviu-os - Por favor, estejam à vontade. O meu nome é Eva, já agora - apresentou-se, lembrando-se que ainda não o tinha feito - És então neto do Bryan e da Candice... És muito parecido com o teu avô, as mesmas feições... - Leo sorriu-lhe, sem saber muito bem o que dizer - Mas o que te traz por cá? A casa dos teus avós foi vendida há alguns anos e... Nunca mais tinha visto por aqui ninguém... - ela disse, triste

- Eu e a minha irmã Laura estamos a recolher algumas informações sobre eles e sobre a nossa mãe e a vida deles antes... A Eva conhecia-os bem?

- Sim... - ela respondeu, parando para beber um gole do chá - Eu já cá morava quando eles chegaram da Irlanda... Eles e as duas meninas, a Louise e a Theresa se não me engano... - Leo confirmou o nome das duas - Uma família muito simpática, muito educados... Foi uma amizade quase imediata, a nossa - contou, nostálgica - As meninas deles andavam na escola com os meus filhos e elas vinha cá a casa algumas vezes para estudar. E os teus avós trabalhavam imenso, mas por vezes juntavamo-nos ao fim-de-semana para um almoço ou ao fim do dia para uma boa conversa. - continuou - Quando a Louise voltou para a Irlanda e a Theresa começou a namorar e depois casou, a tua avó principalmente, passava muito tempo comigo, tinhamos as duas mais tempo. Os meus filhos também saíram de casa nessa altura - Eva parou, talvez para pensar nalguma coisa que quisesse contar. Afinal, tinham passado uns dezoito anos - E depois veio aquele malfadado acidente... - Eva disse, triste e com alguma revolta 

- Pois, infelizmente esse acidente estragou a nossa família... - Leo disse, também ele triste - Não me lembro sequer dos meus avós... - acrescentou

- Nunca os conheceste? - Eva perguntou, trsite por ele

- Conheci, mas eu era muito pequeno, tinha apenas um ano, e não me lembro deles... - Leo explicou, fazendo a mais velha franzir a sobrancelha

- Isso quer dizer que... Tu não vives na Irlanda? - Eva perguntou, ligeiramente confusa

- Não, eu vivo cá com os meus pais e com a minha irmã mais nova - Leo contou - Nem sequer fui à Irlanda ainda - ele comentou

- Achei que a Louise tivesse continuado na Irlanda...

- E creio que continuou... - Leo disse, não percebendo o que Eva queria dizer 

- Mas então, como é que vives cá com os teus pais? 

- Oh, eu não sou filho da Louise, sou filho da Theresa... - Ele revelou. E viu como Eva abriu muito os olhos, claramente incrédula com o que ouvia - Está tudo bem, Eva? - Leo perguntou, preocupado. 

- Como... Como é que é possível? A Theresa e o filho, eles... O acidente... - Eva não dizia uma frase completa e os dois jovens olharam-se, confusos e preocupados. 

- Não sei grandes pormenores sobre o acidente... Na verdade, não sei grandes pormenores sobre muita coisa da minha vida, mas... Depois do acidente, a minha mãe continuou por cá, comigo e com o meu pai. A minha irmã nasceu logo depois... A minha tia Louise é que vive na Irlanda, creio, mas não sei muito sobre ela. Não sei nada além de que é minha tia... - ele contou. Esperava conseguir clarificar Eva, mas percebeu que a deixou ainda mais confusa

- Mas a Theresa... Ou será que foi a Louise? Será que a minha memória me falha assim tanto? - Eva perguntava, mas mais para si mesma do que para os dois rapazes - A Louise estava na Irlanda, ela voltou para lá antes do acidente... Era a Theresa e o filho que iam no carro naquele dia... - Eva tentava lembrar-se de tudo - Sim, era isso, a Theresa era a filha que estava cá na América, era ela que tinha um filho quando o acidente aconteceu... 

- Sim, a Theresa estava cá. E eu sou o filho dela, o Leo... - Leo disse

- Então, mas isso é impossível... - Eva disse, olhando-o - O acidente tirou-lhes a vida...

- O acidente tirou a vida aos meus avós, na Irlanda... - Leo disse, fazendo-a sobressaltar-se

- Os teus avós estão... mortos? - Eva levou as mãos à boca, chocada - Mas quando? 

- Há cerca de 18 anos, pouco depois de voltarem à Irlanda... - Leo olhou para Nick, confuso - Tem a certeza de que estamos a falar das mesmas pessoas?

- O Bryan e a Candice, sim... - Eva confirmou - A filha deles e o neto morreram num acidente de viação e foi por isso que eles voltaram para a Irlanda, para junto da filha Louise... - Eva revelou - Mas agora tu estás aqui e dizes que és neto deles e que a Theresa está viva... Não pode ser possível... - Nenhum dos dois estava a perceber o que se passava. Por isso, Leo contou a Eva tudo o que conhecia daquela história e, no final, ambos perceberam que alguém tinha mentido. Contou-lhe também a história de Laura, e da família no geral. Eva ficou em choque, tal como ele e Nick. - Tens mesmo de perceber o que se passou, esta história não faz sentido algum... Devias falar com os teus pais, talvez eles te esclareçam... - ela sugeriu

- Eles não falam sobre o assunto, especialmente o meu pai... E além disso, eu já não vivo com eles, por isso ainda mais difícil é... - Leo comentou

- Pelo que me contaste do teu pai e da tua irmã, acredito que tenhas saído de casa porque ele não aceita o teu namorado - apontou para Nick

- Como é que... O Nick...

- Oh, eu vi-os há pouco ali fora, todos carinhosos... E não precisas de ter problemas com isso. O meu filho mais velho casou com um homem, eu entendo perfeitamente o que sentes. O pai dele também não aceitou, foi por isso que o pus a andar. - Eva contou, fazendo os dois jovens sorrir - Quanto aos teus avós, tens de descobrir a verdade, rapaz  - ela disse - Não sei se te posso ser grande ajuda, mas conta comigo para o que for preciso... Alguém mentiu e parece-me que o teu pai está metido nisso. Só uma pessoa como ele seria capaz de fazer algo assim... - ela disse, lamentando que assim fosse. - E dá-me novidades assim que as tiveres... - pediu. Despediram-se e Leo e Nick voltaram a entrar no carro.

- Isto foi surreal! - Nick comentou - O que é que vais fazer agora? 

- Vamos fazer o que a Eva disse... Vamos descobrir a verdade! - Leo disse. Arrancaram em direção à casa de Nick. Tinham de ir ter com a tia Carmen antes de passarem em casa de Alycia. Mas mal podiam esperar para contar as novidades e começar a investigar a sério. 

...................

Boa tarde, como estão? Parece que a história de George e Eva batem certo. Será que os avós estão mesmo vivos? E quem será que mentiu? Espero que tenham gostado de mais um capítulo! Fiquem bem e até ao próximo capítulo :)